TEOLOGIA EM FOCO

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A IGREJA E O MODERNISMO

É de se observar uma incontrolável proliferação de religiões nos últimos dias da igreja do Senhor sobre a face da terra. Essas religiões tendem a gerar no homem moderno, necessidades espirituais confusas com relação ao tipo de divindade que cultua e a forma como deve cultuar. Vemos como o apóstolo Paulo esboça a simplicidade da cruz de tal maneira que constrange os sábios e inteligentes (I Coríntios 1.18,19). Para o apóstolo, que não se desviava nem para a direita e nem para a esquerda, o evangelho não é uma questão de inteligência ou ignorância, mas de sabedoria provinda de Deus (I Coríntios 1.23; 2.4).

No evangelho moderno, o homem deixa a sabedoria divina e busca na sua própria sabedoria, a resposta à sua necessidade de Deus (1ª Co 1.6,7,14,15). Em resumo, a religiosidade do homem moderno não é outra coisa senão a divinização do homem e a humanização de Deus (Rm 1.21,23,25).

Li, recentemente, que o homem em razão do modernismo, mesmo que seja um estudioso da Palavra, apoia-se em quatro fundamentos: "fé na razão, fé no desenvolvimento tecnológico, fé na ciência como substituta da religião e fé na auto-suficiência humana". O homem moderno pode ser enquadrado no Salmo 53.1-6.

Rubens Muzio, em sua obra O DNA da Liderança Cristã (Ed. Mundo Cristão), afirma que "Os evangélicos brasileiros como esponjas secas, apropriaram-se de mecanismos científicos, realistas, empíricos e lógicos da modernidade e da pós-modernidade para conquistar credibilidade diante da cultura moderna. As lideranças estão de olho nos resultados. Os cultos tornaram-se 'shows' e copiam-se modelos importados de outros países. Nesse contexto, a igreja brasileira carece de identidade e de firmeza nas Escrituras Sagradas. Vê-se um Cristianismo sem compromisso".

É lamentável afirmar que o crescimento das igrejas, muitas vezes resulta de situações subumanas em que a opção pela fé não passa de um mecanismo de fuga, e não de um autêntico chamado para participar do Evangelho de Cristo. O crescimento da igreja deve se apoiar em três características pronunciadas pelo líder Josué, quando repetiu o concerto para o povo: "temor, sinceridade e verdade" (Josué 24.14).

Muitas igrejas estão buscando novos meios de ministração para se fazerem atraentes. Algumas transformaram-se em autêntico lugar de entretenimento. Não é possível atribuir-se crescimento espiritual autêntico e nem identidade de povo de Deus. É um verdadeiro movimento jovem para agradar a jovem, ficando os anciãos, homens de fé e de oração, esquecidos e menosprezados, servindo apenas para porteiros ou recepcionistas, ou guardadores de automóveis no pátio da igreja. Não se vê qualquer semelhança com aquele evangelho pregado por Filipe em Samaria, com poder nas palavras, provas e sinais (Atos 8.5-8). E quando umas poucas igrejas assim procedem, são acusadas de praticarem charlatanice. Estamos do lado do farisaísmo e não nos damos em conta.

O cristianismo deve apresentar Deus como a Verdade Absoluta (2ª Co 13.8). Assuntos divinos passam a ser analisados com subjetividade e sem uma norma bíblica (Gl 1.8; 2ª Pe 1.20,21). A fé de alguns cristãos tornou-se "fé na fé" e não fé em Deus (Mt 7.7; 2ª Ts 1.11). O imediatismo exige de Deus resposta à uma fé pedinte. As orações tornam-se instrumento de realização da pura satisfação humana (Lc 22.42; Tg 4.3,4,7-10). Vê-se a oração como uma "magia" para alcançar bênçãos e deixou de ser um elemento essencial para comunhão e rendição à vontade de Deus (Mt 6.5,8). As pregações tornam-se puras propostas de "barganhas" com Deus (Sl 50.8-14,23); 2ª Co 2.17). O templo perde o referencial de lugar de comunhão com os santos e adoração coletiva e é visto apenas como apontador de números de membresia. Chamam de crescimento ao que se pode denominar de "inchaço". O crescimento de uma igreja pode ser visto como o resultado de uma movimentação comum entre crentes insatisfeitos em outras igrejas ou denominações.

Tem predominado um verdadeiro pragmatismo, uma prática que entende que, se está gerando resultados satisfatórios e imediatos, pode ser considerada como certa e digna de crédito. Biblicamente falando, nem tudo o que dá resultado é certo. A preocupação com os resultados não pode ser medida pela ação do homem, pois quem dá o crescimento de Sua obra é Deus (At 2.47; 1ª Co 3.6,7). Muitas igrejas estão aderindo a certos métodos de crescimento sem nem sequer passá-los pelo crivo da revelação bíblica. Julgam que, se o que estão fazendo está dando certo, certamente Deus está aprovando.

Modernamente, viver o Evangelho de Cristo diante das exigências da religião, é um desafio para os bons cristãos. Diante deste desafio, o verdadeiro cristão para permanecer na fé, tem que ter visão, discernimento bíblico e espiritual e aprofundar-se no cristianismo que busca pelo equilíbrio.

Eliezer de Andrade